Você pode acreditar que quanto mais você envelhece, mais difícil é aprender a programar e adquirir novas habilidades, ou seja, isso significa que aprender depois dos 30,40 e 50 anos é difícil.

Isso não necessáriamente uma verdade. Acontece que nós nos acostumamos a fazer algumas coisas de maneiras diferentes ao longo da vida.

Quando se trata de aprender coisas novas, todas as pessoas não têm problemas em aprender coisas que lhes interessam. Podemos até dizer que aprender nos mantém jovens.

Quando ficamos mais velhos, não são nossas mentes que nos traem, ao contrário, são nossos corpos e as rotinas.

Um bebê por exemplo, começa a vida “sem saber nada” e, eventualmente, torna-se uma pequena pessoa. Tudo dentro de poucos anos. Todos os dias, novas habilidades se acumulam sobre as habilidades de ontem.

Como é que continuamos a adquirir novas habilidades e aprender a programar ao longo da nossa vida? É um desejo contínuo de aprender, e é mais parecido com o modo como um bebê cresce do que você imagina.

Cientificamente Comprovado

As primeiras teorias científicas sugeriam que o cérebro só se desenvolve durante a infância e, uma vez desenvolvido, o cérebro não poderia ser modificado. Com esse raciocínio, seria difícil ensinar alguma coisa a pessoas mais velhas.

Estudos do cérebro na última metade do século XX, em contraste com as antigas teorias, descobriu-se que o cérebro se desenvolve ao longo da vida de uma pessoa. Os caminhos no cérebro continuam a se formar – independentemente da idade.

As memórias se formam quando as sinapses são criadas quando os sinais elétricos saltam pelos neurônios do cérebro. A repetição torna essas sinapses mais fortes ao longo do tempo.

Essa atividade continua ao longo da vida e o cérebro muda repetidamente. Novas habilidades, memórias e capacidades crescem – juntamente com maus hábitos e, às vezes, vícios.

A Neuroplasticidade

Neuroplasticidade é o nome dado a essa ciência da construção do caminho do cérebro “plástico”.

Mesmo após traumatismo cerebral e lesão física consideráveis, o cérebro é capaz de se adaptar e criar novos caminhos. No caso de dano cerebral, ele tem a capacidade de se mover para diferentes áreas – um processo conhecido como remapeamento cortical.

Essa ciência explica por que podemos continuar aprendendo e adotando novas habilidades, inclusive aprendendo novas linguagens de programação e até mesmo novos idiomas. Isso faz sentido no contexto da aprendizagem após os 30, 40 e 50 anos.

É possível aprender ao longo da vida, um excelente exemplo é que muitos mudaram de Fortran, Pascal e Delphi para aprender Java e desenvolver aplicativos Android.

Nós podemos “hackear” nosso cérebro reexaminando como o cérebro forma novas conexões enquanto estamos aprendendo. A maioria das pessoas que aprendem a tocar um instrumento, por exemplo, começa mais novo; no entanto, eles também desistem e abandonam o processo quando o progresso parece diminuir.

Mudando sua Mente

Você deve dividir o que você aprende em partes simples, em vez de tentar aprender tudo de uma só vez. Como analogia, podemos ver como os bebês aprendem a falar. Eles começam fazendo sons de vogais, que são semelhantes às “micro-habilidades” que eles captam. Eles praticam e, eventualmente, começam a formar palavras e frases.

Praticar com moderação e repetição ao longo do tempo é fundamental para aprender a programar depois dos 30, 40 e 50 anos ou dominar habilidades em qualquer idade.

A Neuroplasticidade, estabeleceu três maneiras pelas quais o cérebro muda com mudanças químicas que apoiam o aprendizado. O cérebro usa as substâncias químicas que sinalizam entre os neurônios para criar memórias de curto prazo.

Enquanto as memórias de curto prazo tendem a significar um grande progresso para as pessoas que aprendem novas habilidades, elas também se dissipam depois de um dia ou mais.

A prática repetida é o que permite que as pessoas comecem a fazer mudanças estruturais em seus cérebros. Com a repetição, certas partes do cérebro mudam fisicamente e as memórias de longo prazo se formam. Ficando mais fácil lembrar o que foi aprendido.

Por exemplo, os centros cerebrais dos leitores de Braille envolvidos no controle manual e motor são maiores do que os de alguém que lê com os olhos. As áreas de reconhecimento espacial dos motoristas de táxi crescem com a ação de memorizar ruas e endereços.

Mudanças estruturais levam ao terceiro tipo de mudança.

A Programação Funcional do Cérebro

A mudança funcional é quando o cérebro usa várias regiões quando você usa uma certa habilidade, cada uma delas se tornando excitável e fácil de usar repetidamente. Isso às vezes é chamado de memória muscular.

Pense em como uma vez que você entende um conceito, torna-se simples repeti-lo – como quando suas habilidades motoras permitem que você toque um novo instrumento musical, ou se sinta confiante em praticar um novo esporte.

Quando você pratica de forma repetitiva uma coisa, você constrói estruturas e comportamentos que pode lembrar quando surgir a oportunidade de usar aquela habilidade.

Isso pode ser feito, por exemplo, lendo, assistindo a vídeos, e aprendendo coisas novas.

É fascinante ver como o aprendizado funciona e como as mudanças no cérebro ajudam a reter habilidades de longo prazo e a dominar comportamentos.

Leva tempo, prática e repetição para superar o que inicialmente podem ser habilidades difíceis de adquirir.

No Mundo do Desenvolvimento Mobile

No mundo do desenvolvimento de software, o mesmo parece ser verdade. É difícil (impossível?) aprender tudo de uma vez, mas você pode aprender várias partes de um aplicativo, em pequenos pedaços, acessando nosso tutorial de desenvolvimento Android.

Comece aprendendo em pequenos passos que você consiga entender completamente. Com o tempo, você vai estar aprendendo coisas que jamais imaginou.

Eu sei que, como muitos de vocês, eu posso ter dificuldade em entender um conceito. No entanto, repetir o aprendizado com um curso, ler um livro, ver as coisas de outra perspectiva é como eu construo uma compreensão de um novo conceito. Cada vez que olho para isso de novo, fica mais claro.

Muitos de nós, aprendem continuamente até hoje.

Um benefício de ficar mais velho é que você aprende a não travar com coisas pequenas, como quando você não entende um conceito imediatamente.

Com esse novo conhecimento, você pode construir o comportamento que deseja e, agora que tem uma ideia de como aprender a programar depois dos 30, 40 e 50 anos. Você pode começar a hackear seu próprio cérebro para aprender novas habilidades.

Conclusão

Se você ficou curioso sobre hackear nossa mente e ver como funciona o seu próprio cérebro e como você aprende, procure sobre a Neuroplasticidade.

As pessoas tendem a progredir bastante à medida que os sinais químicos se movimentam e os neurônios se dispersam, criando memórias de curto prazo. Então mudanças estruturais vêm com repetição e exercício.

Finalmente, mudanças funcionais constroem áreas especializadas do seu cérebro.

Agora você também sabe por que não retém as coisas sem prática e repetição. Isso leva a mudanças estruturais e, eventualmente, funcionais. É assim que você hackeia seu cérebro e constrói essas importantes memórias de longo prazo e caminhos neurais para aprender depois dos 30, 40 e 50 anos.

Acima de tudo, trabalhe nas coisas que lhe interessam, pratique e persevere. Quando você fica mais velho, ou mesmo se você for mais novo, você entenderá como seu cérebro se transformou e o que você pode fazer para transformá-lo novamente.

Leia também


Fillipe Cordeiro
Fillipe Cordeiro

Engenheiro da computação e desenvolvedor de software a quase 10 anos, com experiência em tecnologias como Java, Python e Android. Agora, quero te ajudar a mergulhar no universo do Desenvolvimento Android.